Temperatura influencia na produtividade

Todos que trabalham em ambientes climatizados, com certeza já passaram por uma discussão ou outra sobre uma temperatura do local.

Uma pesquisa realizada pela Ergotríade Engenharia e Ergonomia mostrada em todas as pessoas que se encontram no escritório. Além disso, uma temperatura afeta o rendimento dos funcionários, por isso, é importante encontrar um equilíbrio para ela.

A Universidade de Cornell publicou um estudo de 15 dias sobre uma influência da temperatura sem escritório. O ritmo da equipe ficou mais lento aos 21 ° C do que a 24 ° C é o dia mais tarde, a 18 ° C do que a 24 ° C. Um achado com os 24ºC são críticos, o resfriamento leve diminui uma excitação e mais intenso , aumenta.

Clique em acordo sobre uma temperatura ideal para ar condicionado e fácil, basta seguir a  legislation. A Norma Reguladora da Ergonomia (NR17) do Ministério do Trabalho estabelece os locais de trabalho onde são executadas atividades intelectuais e que exigem atenção constante uma temperatura ideal está entre 20ºC e 23ºC. A velocidade da influência na sensação térmica, assim como não é superior a 0,75m / s com uma relativa à base de 40%.

A técnica de Medicina do Trabalho , Valquíria Crivelin, destaca que existe outra opção, uma empresa também pode usar os parâmetros da ISO 9241. Nesse caso, existe uma flexibilidade e temperatura recomendada muda conforme a estação. Para o verão, o intervalo de 20 a 24 graus, não inverno sobe um pouco, de 23 a 26 graus. A umidade relativa também parte dos 40% e pode acomodar 80%. O limite de velocidade não é NR17, nunca acima dos 0,75 m / s.

Fonte: O Diário

 


Impacto do eSocial na segurança e medicina do trabalho

Também receberão periodicamente informativos sobre os funcionários que possuem direito à insalubridade, periculosidade e aposentadoria especial e suas justificativas técnicas.

É importante ressaltar que o eSocial não altera a legislação de Segurança e Saúde Ocupacional, mas é uma forma de verificar a prática destas legislações nas empresas. Pois, essa padronização possibilita uma checagem mais rápida e simples desses dados.

Os dados de Saúde e Segurança Ocupacional que deverão ser informados, englobam os seguintes:

S-1060:

Tabela do Ambiente de Trabalho

S-2210:

Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT)

S-2230:

Afastamento Temporário (Licença Médica)

S-2220:

Monitoramento da Saúde do Trabalhador (ASO)

S-2240:

Condições Ambientais do Trabalho

S-2241:

Insalubridade, Periculosidade e Aposentadoria Especial

Para que isso funcione é preciso que a contabilidade e a prestadora de medicina ocupacional trabalhem de maneira integrada para, assim, possibilitar o fornecimento desses dados.

A maioria das empresas, mantém a contabilidade e a medicina ocupacional terceirizadas, caberá ao contador, o envio das informações ocupacionais para o governo. As soluções digitais que estão a disposição para contabilidade são um auxílio durante essa mudança.

A obrigatoriedade, no que se refere à Medicina Ocupacional, acontece a partir de 1º de julho de 2018, para as empresas que faturam R$78 milhões ou mais. Para as outras empresas começa a valer a partir de 1º de janeiro de 2019.